top of page

Mostra de Práticas Exitosas da Educação é marcada por exibição do filme “Pantera Negra em Juazeiro”


Com objetivo de valorizar, divulgar e compartilhar as práticas exitosas que ocorreram nas escolas da rede municipal de ensino no ano letivo de 2022, a Prefeitura de Juazeiro, através da Secretaria de Educação e Juventude (Seduc), tem realizado uma série de ações que apresentam os trabalhos que estão dando respostas positivas à Educação municipal.


Nesta sexta-feira (25), a Primeira Mostra de Práticas Exitosas da Escola Municipal 15 de julho, localizada em Maniçoba, interior da cidade, contou com programação diversificada, incluindo a exibição e discussão do filme “Pantera Negra”, ações de empreendedorismo, arte e educação ambiental.


Primeiro filme norte-americano dedicado a um super-herói negro, “Pantera Negra” foi escolhido em alusão a programação do novembro negro, atendendo a proposta pedagógica que discutiu a temática “Visões das Áfricas” a partir do filme, considerando aspectos ligados à representatividade, ancestralidade, identidade territorial, racismo, entre outros.


A ação contou com o apoio do Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), do Núcleo de Estudos Étnicos e Afro-Brasileiros da Univasf (NEAFRAR), e do Conselho Municipal de Defesa dos direitos da Criança e Adolescente (CMDCA).


A programação também contou com bazar solidário, exposição e apresentações dos trabalhos produzidos nas oficinas de artesanato, pinturas, reciclagem e aproveitamento integral dos alimentos. Confecção de bijuterias, velas e sabonetes artesanais, chaveiros, porta chaves, porta absorvente, pinturas em pano de prato, sacola retornáveis e camisas, e produção de polpas de frutas, foram alguns dos materiais apresentados.


De acordo com Rosimeire Fontes, professora da Escola 15 de julho, a iniciativa trabalhou a temática sustentabilidade, trazendo uma proposta de educação ambiental empreendedora, somada a valorização da cultura afro-brasileira, através da confecção de elementos que fizeram referência a celebração da consciência negra.


”Nós decidimos unir os temas sustentabilidade, empreendedorismo e visões das Áfricas, agregando novos conceitos que repensassem as relações com o meio ambiente e a diversidade cultural e racial, assim, reunimos coisas que costumamos utilizar no dia a dia e transformamos em elementos que fizessem referência a valorização e o respeito aos povos de matriz africana, o que resultou nessa culminância super satisfatória”, disse Rosimeire”.


“Trazer a animação do filme Pantera Negra, para os alunos da Escola 15 julho, tem uma importância muito significativa, pois permite que os estudantes visualizem a África de outras formas, livre de estereótipos, sem a ideia restrita de um lugar de guerra, fome e miséria, mas como uma África rica, tecnológica, que possui realeza e a capacidade de mostrar como as populações negras existem muito além do que o racismo costuma mostrar. Se trata de uma perspectiva de autorreconhecimento e de revisão de saberes”, comentou Ana Luiza Souza Jesus, integrante do NEAFRAR.


A estudante Paloma Alves, falou sobre seu sentimento de ter participado da iniciativa. ”Eu gostei demais de participar das atividades, porque trouxe mais socialização entre os alunos, a gente aprendeu a fazer várias coisas de arte e empreendedorismo nas oficinas e também conhecemos muita informação legal sobre a África”, finalizou Paloma.







Com informções de Ascom/Seduc/PMJ

bottom of page