Exclusivo: Comandante da Marinha orienta sobre segurança e fiscalização no Velho Chico; veja o vídeo

Atualizado: Jul 7


Acidente com empresária em moto aquática induz debate sobre as medidas de segurança e fiscalização da navegação do Velho Chico


A repercussão do acidente que vitimou a empresária Gleyciara Andrade, no fim da tarde deste domingo (04), após cair de uma moto aquática (Jet Ski) no Rio São Francisco, induziu o debate sobre medidas de segurança, habilitação do condutor e a fiscalização nas águas do Velho Chico.


De acordo as informações iniciais, a vítima estava acompanhada do namorado Rafael Firmino que conduzia a moto aquática quando teriam colidido com pedras resultando no acidente. O condutor teve apenas apenas ferimentos leves.


A equipe do Cartaz da Cidade entrevistou o Capitão Luis Felipe Melo da Mata, Comandante da Capitania Fluvial de Juazeiro e questionou sobre as causas prováveis do acidente. O Capitão reforçou que "qualquer acidente exige a apuração antes de tudo, e a Marinha vai instaurar um inquérito administrativo pra apurar as causas". O capitão lembrou que, inicialmente, qualquer tipo de comentário sobre o acidente seria leviano, "porque também existem as fatalidades", explicou.

Todo acidente náutico é responsabilidade da Marinha do Brasil por meio da Lei de Segurança pelo Tráfego Aquaviário e pelas normas de autoridade marítima.


O acidente lembrou que assim como no trânsito terrestre, o tráfego no rio, mares e lagos deve ser realizado com cautela e obedecendo todas as medidas para uma navegação segura. "A primeira coisa que é a mais importante é o condutor estar habilitado e a embarcação estar regularizada em umas das organização militares: delegacias, capitanias ou agências", disse o Comandante. Para se habilitar, o cidadão deve fazer cursos específicos de condutor no tráfego aquaviário. "Se for pra esporte e recreio existem as escolas náuticas na região que formam os Arrais Amadores e os Motonautas, após esse curso com treinamento teórico e prático, a pessoa vai realizar uma prova que é promovida pela Marinha do Brasil que vai capacitar com habilitação específica para navegar", explicou.


Outra regra de segurança na navegação é a regularização da embarcação que deve ser registrada e vistoriada contendo todos os equipamentos não só de navegação, mas de segurança. "A embarcação sendo propulsada a motor exige um registo na Capitania. Porque as nossas equipes de inspeção naval vão atuar no rio de modo a coibir infrações à lei de segurança de tráfego aquaviário e dar um maior foco na orientação com relação à necessidade de se cumprir a lei".


A Capitania dos Portos de Juazeiro está localizada na Rua José Petitinga nº 606, no Bairro Santo Antônio e é responsável pela fiscalização e orientação da navegação no trecho de Pilão Arcado a Paulo Afonso, região norte da Bahia. A Capitania disponibiliza o número 185 para contato de emergência, marítima e fluvial e os telefones (74) 3211-8800 / (74) 99976-5063 para denúncias, reclamações, sugestões e comunicações.


Veja a entrevista com o Capitão:




Iana Lima - Jornalista

Comente e Compartilhe!