Com 600 ligações falsas no mês, Guarda Civil de Petrolina tem atendimento prejudicado por trotes



Por mês, o sistema de monitoramento da Guarda Civil Municipal de Petrolina, no sertão pernambucano, recebe uma média de 1.500 ligações. Mas, um outro número assusta: dessas, 600 são consideradas falsas. No órgão, por dia, cerca de 20 ligações sem necessidade, conhecidas como "trotes", são atendidas. De acordo com publicação da prefeitura nesta quinta-feira (14), essas chamadas falsas para as autoridades têm dificultado o processo de atendimento às ocorrências reais. Por essa razão, se persistirem, elas podem, até mesmo, custar vidas na região.


Segundo o secretário de Segurança Pública, Marcondes Inácio, esse tipo de ação causa muitos prejuízos para o município, para o serviço e também para a população. “A Central recebe diariamente chamadas com os mais variados tipos de relatos de ocorrências, entre elas estão as ligações indevidas, e que na verdade os guardas poderiam estar atendendo a um chamado real e até salvando uma vida”, alertou.


Ainda de acordo com a prefeitura, fica o alerta: provocar a ação de autoridade, comunicando a ocorrência de crime que se sabe que não é real pode levar a pena de detenção que varia de um a seis meses, ou multa. No caso dos menores de idade, está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) como infração gravíssima e quem comete deve ser encaminhado para a Vara da Infância e da Juventude.


Da Redação - Layla Shasta; com informações Prefeitura de Petrolina

Imagem: Reprodução Ascom/PMP.