Caso Henry: babá muda depoimento e diz que nunca viu agressões



Terminou no início da madrugada desta quinta-feira (7) a primeira audiência sobre o assassinato do menino Henry Borel. A babá do menino, Thayná Oliveira Ferreira, foi a última a ser ouvida e mudou o depoimento mais uma vez.


Durante a audiência, Thayná disse que nunca viu Henry ser agredido por Jairinho, apresentando versão diferente dos dois depoimentos anteriores na delegacia. A babá disse que se sentiu manipulada por Monique. Antes de começar a falar na audiência presidida pela juíza Elizabeth Machado Louro, Thayná pediu para Monique sair da sala.

O ex-vereador Jairinho e a mãe de Henry, Monique Medeiros, são acusados da morte do menino. Ao todo, 10 pessoas foram ouvidas, inclusive o pai do Henry, Leniel Borel.

Segundo a babá, tudo pode ter sido imaginação da sua cabeça. "No meu entendimento era a Monique que me fazia acreditar em muita coisa e por isso a minha cabeça estava transtornada e eu começava a imaginar um monstro, mas ali no quarto poderia não estar acontecendo nada e eu estava imaginando um monte de coisa”.

Thayná ainda disse que se sentiu usada pela mãe da criança. "Me senti usada em que sentido? No sentido de que ela vinha, contava, tentava me mostrar o monstro do Jairinho e eu ficava com todas as coisas ruins na minha cabeça. Era tudo suposição da minha cabeça. Eu nunca vi nenhum ato", disse a babá.



As próximas audiências estão marcadas para os dias 14 e 15 de dezembro.


Em abril, no segundo depoimento à polícia, Thayná afirmou que Monique sabia que o filho era agredido pelo padrasto, Jairinho, e que a mãe da criança pediu que ela mentisse à polícia. Na época, a babá disse que soube de três momentos diferentes em que Henry foi agredido.


Já na primeira vez que falou à polícia, em março, Thayná disse que nunca tinha percebido nada de anormal na relação do casal com o menino.


Com informações do G1

Comente e Compartilhe!