Caso Élida Márcia: Um acusado é absolvido e outro condenado a 16 anos de prisão



O homem acusado de conduzir a motocicleta que levava o autor do tiro que matou a professora Élida Maria de Oliveira, em Juazeiro, em fevereiro de 2019, foi condenado a 16 anos e sete meses de prisão, em decisão tomada no júri popular na quinta-feira (2), no fórum da cidade. Um dos suspeitos de ser o mandante do crime, Edivan Constantino, foi absolvido.


O julgamento durou cerca de 10 horas. Railton Lima da Silva, que foi condenado a 16 anos de prisão, já estava preso e durante a audiência inocentou Edivan, alegando que não o conhecia. O depoimento causou estranheza ao promotor do júri, Raimundo Moinhos, que afirmou que o Ministério Público recorreu da decisão da absolvição, pedindo análise do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA).

O promotor disse que "No plenário, Railton inocentou o Edivan como mandante. Não sei qual foi o acerto. Anteriormente, ele estava sem recurso para constituir um advogado e ontem estava com um advogado de outro estado. Edivan foi libertado, mas o Ministério Público recorreu da decisão”, disse o promotor.

Outros dois réus ainda são considerados foragidos. Maicon Neves dos Santos, acusado de ter atirado na vítima, e Edvânia Pereira de Morais, filha de Edivan, acusada de também ter planejado a morte da professora. Durante o depoimento no julgamento, Edivan se disse inocente e responsabilizou a filha por arquitetar o crime.


Os dois foragidos possuem mandado de prisão em aberto e terão as sentenças proferidas de forma separada.


Antes do julgamento, familiares, amigos de Élída Maria e representantes do Conselho Municipal de Defesa de Direito à Mulher (CMDDM) fizeram uma manifestação em frente ao Fórum. A mãe da vítima, Maria da Paixão, chegou acompanhada de Lucinha Mota, mãe da garota Beatriz Angélica, assassinada em 2015 e comentou sobre o que tem enfrentado após a morte da filha.


Entenda o caso:


Élida Márcia de Oliveira foi morta a tiros na manhã do dia 20 de fevereiro de 2019, em Juazeiro. O crime ocorreu na porta da casa da vítima, no bairro Alto do Alencar.


Segundo a delegada Lígia Nunes, Élida Márcia estava no banco carona, quando uma moto com duas pessoas se aproximou do veículo. Um dos criminosos desceu da motocicleta e atirou contra a professora, que estava dentro de um carro.


Élida morreu no local. O marido da professora foi atingido por estilhaços. Ele foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade e recebeu alta após atendimento médico.


Com informações do G1

Comente e Compartilhe!