Caso Diogo Lira: foram condenados, por homicídio simples, dono e funcionário da Caiaques do Vale



A Justiça condenou nesta segunda-feira (21), Eduardo Jorge Meireles, dono da empresa Caiaques do Vale e seu funcionário, Ramos Neto Costa, denunciados pelo Promotor de Justiça Raimundo Moinhos por homicídio qualificado, por motivo torpe. Moinhos considerou que havia indícios de que os dois acusados assumiram o risco contra a vida de do estudante Diogo Lira, 16 anos, ocorrida em setembro de 2018, no Rio São Francisco, em Juazeiro (BA). O julgamento foi realizado no Fórum Conselheiro Luiz Viana e durou 11h.


A vítima morreu afogada durante um passeio de caiaque, com os amigos, no Rio São Francisco. O dono da locadora de caiaques e um funcionário foram denunciados pelo MP-BA pelo crime.


Os réus foram condenados em Júri Popular por homicídio simples com penas de 6 e 8 anos, respectivamente. Os dois cumprirão as penas em regime semiaberto.





Redação Cartaz da Cidade

Comente e compartilhe!