Auxílio emergencial aprovado divide opiniões de trabalhadores, artistas e vereadores de Petrolina



A Câmara de Vereadores de Petrolina aprovou, na última terça-feira (22), por unanimidade, com 19 votos, o Projeto de Lei nº 017/2021 que garantirá um auxílio financeiro emergencial para os trabalhadores que atuam no ciclo junino. O benefício é voltado para artistas, vendedores ambulantes e garçons que trabalharam no São João de Petrolina em anos anteriores e devido a pandemia foram diretamente afetados em seu orçamento.


A presidente da Associação de Barraqueiros e Ambulantes de Petrolina, Maria Salomé da Silva, destacou o apoio da gestão com a classe desde o início da pandemia e agradeceu a aprovação do projeto. "A importância desse auxílio para essa classe é que como se fosse um 13º de um aposentado porque a gente está sofrendo há 1 ano e 7 meses sem trabalhar e sem trabalho não há dignidade e felicidade. Depois de ontem que falaram desse auxílio muitos me ligaram e me falaram da alegria de poder ser contemplado com um auxílio emergencial dessa forma porque, com certeza, é garantia do alimento na mesa de muitos", enfatizou.


O projeto gerou algumas polêmicas quanto aos valores e grupos que deverão ser contemplados. O sanfoneiro Neris do Forró destacou na rede social do prefeito que 90% dos músicos locais serão excluídos do edital. "Não concordamos com esse edital do circuito junino onde irá excluir 90% dos músicos locais e beneficiar apenas uma pequena quantidade de músicos. Pedimos a revisão do edital para que possa beneficiar a classe que toca em barzinhos, balneários, projetos, interior, distritos, e eventos particulares, além de técnicos de som, iluminadores e afins", pontuou.


Vereadores


Durante a sessão, o vereador Gilmar Santos (PT) reconheceu a importância do projeto porém questionou os valores dispensados para os artistas locais. O edil apresentou uma emenda modificativa que sugeriu aumentar o valor em R$ 600 argumentando os altos custos pagos a artistas de renome nacional em época do festejo junino. A Emenda foi rejeitada por 15 votos.


O vereador Osinaldo Souza (MDB) saiu em defesa do projeto e atacou os questionamentos da do colega da oposição e os partidos de esquerda. "Gostaria de dizer que a esquerda doente desse país que ao invés de ensinar só algumas matérias ao seus discípulos, ensine matemática, economia, contabilidade, porque são ruins", opinou.


Edital


Em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (23), o prefeito Miguel Coelho apresentou o edital e afirmou que essa foi a maneira da gestão beneficiar os artistas do ciclo junino ao invés de realizar lives shows. "Vieram propostas de fazer lives e outros eventos mas entendemos que isso não beneficiaria quem de fato está sendo mais afetado a gente poderia gerar mídia divulgação, mas para ambulante, garçom operador de palco pessoas que ajudam, grupos musicais, quadrilheiros continuaria a mesma dificuldade. Então ao invés de gastar dinheiro promovendo uma live, a gente resolveu investir esse dinheiro na transferência de renda para esses grupos", justificou.


O público estimado a ser atendido é de 900 pessoas com pagamento em cota única a partir de agosto. Para os garçons, ambulantes, membros de quadrilhas juninas e violeiros será garantido um auxílio de R$ 400. Já para cantores, bandas entre outros grupos artísticos, o valor será de 50% do cachê pago pela prefeitura no último ciclo junino, chegando até o pagamento máximo de R$ 5.000 pelo auxílio.


O auxílio emergencial será destinado a vendedores ambulantes, garçons, cantores, sanfoneiros, quadrilheiros entre outros profissionais que participaram dos festejos ao longo do ciclo junino. Para ter direito ao recurso, os trabalhadores precisarão se inscrever na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, além de comprovar residência em Petrolina e atuação durante o São João em 2018 ou 2019.


Os recursos empregados no pagamento do benefício são oriundos da verba antes destinada à realização do São João.


Iana Lima - Jornalista

Comente e Compartilhe!