Após dizer durante sua campanha que não apoiaria o PT, Ciro Gomes volta atrás e declara apoio



Quarto colocado nas eleições de 2022, Ciro Gomes anunciou nesta terça-feira (4) apoio a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno contra Jair Bolsonaro (PL), em decisão que acompanha a do PDT e que ocorreu após a campanha do petista endossar três propostas do pedetista.

Em vídeo de cerca de 3 minutos, Ciro disse acompanhar a decisão do partido, que, pouco antes, formalizou o apoio a Lula após reunião da Executiva do PDT realizada de forma virtual e presencial, na sede do partido, em Brasília.


“Frente às circunstâncias, é a última saída”, disse. Ciro afirmou lamentar que a “trilha democrática tenha afunilado a tal ponto que resta aos brasileiros uma opção, a meu ver, insatisfatória.”


“Não acredito que a democracia esteja em risco nesse embate eleitoral, mas sim no seu absoluto fracasso na nossa democracia de construir um ambiente de oportunidades que enfrente a mais massiva crise social e econômica que humilha a esmagadora maioria do nosso povo”.

Ciro, a seguir, criticou a “campanha violenta” da qual foi vítima, mas afirmou que não vai se ausentar da luta pelo Brasil. “Sempre me posicionei e me posicionarei na defesa do país contra projetos de poder que levaram o nosso povo a essa situação grave e ameaçadora.”


Segundo o presidente do PDT, Carlos Lupi, Ciro endossou integralmente a decisão. “O Ciro não viajará, ficará aqui no Brasil e já declarou o apoio ao partido.”


A informação do apoio do PDT em troca das propostas pedetistas foi antecipada à Folha de S.Paulo por Lupi. Ele disse ter conversado com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, nesta segunda (3), e afirmou ter sugerido a ela a incorporação de três propostas de Ciro: o programa que prevê zerar dívidas do SPC, o plano de renda mínima e um projeto de educação em tempo integral.


“Tomamos uma decisão unânime, sem um voto contrário, e eu repeti isso três vezes porque se tivesse voto contrário poderia registrar em ata, está gravado, a decisão de apoiar o mais próximo da gente, que é a candidatura do Lula”, afirmou Lupi nesta terça.


Durante a campanha, Ciro fez uma série de ataques a Lula, principalmente após a pressão do PT pelo voto útil. Lupi contemporizou e lembrou das divergências entre o ex-governador Leonel Brizola e Lula.


Perguntado como Ciro faria para apoiar o petista depois de todas as declarações dadas durante a campanha, Lupi brincou e disse que a eleição já teve até “padre de quadrilha junina na campanha”.


“O processo político às vezes se acirra de uma maneira, e eu vivenciei disso do Brizola com o Lula, lá em 1989. É uma coisa muito forte, mas isso não impediu o Brizola de estar com o Lula na campanha.”


Lupi afirmou que derrotar Bolsonaro é prioridade absoluta do partido. “Derrotar Bolsonaro é uma causa nacional, uma causa da pátria, uma causa dos democratas.”


“Essa decisão é de apoio ao presidente Lula porque ele representa uma aproximação maior com nosso ideário. Não é o nosso ideário, não é o que a gente lutou para ser, mas é o mais próximo, e principalmente um não muito grande ao Bolsonaro e o que ele representa”, ressaltou o presidente do PDT.


“Bolsonaro, na nossa opinião, representa o atraso do atraso do atraso desse país, um aspirante a ditador, malversador do dinheiro público, um homem da falsa fé cristão”, disse, acrescentando que não admitirá nenhum pedetista apoiando o atual presidente.


Após terminar o primeiro turno em quarto lugar, Ciro adiou por “algumas horas” o anúncio sobre seu posicionamento para o segundo turno.


“Nunca vi uma situação tão complexa, tão desafiadora, tão potencialmente ameaçadora sobre a nossa sorte como nação”, disse ele na noite de domingo (2), após a divulgação do resultado do pleito.


“Por isso, peço a vocês mais algumas horas para conversar com meus amigos, conversar com meu partido, para que a gente possa achar o melhor caminho, o melhor equilíbrio para bem servir a nação brasileira”, continuou o candidato, que teve cerca de 3,5 milhões de votos, ou 3% do total.


Ciro terminou a corrida com 3,04% dos votos, atrás de Simone Tebet (MDB), que teve 4,16%. Neste domingo (2), Lula recebeu 48,43% dos votos válidos e o atual chefe do Executivo, 43,20%.


Em uma situação inédita, Ciro terminou em terceiro lugar no Ceará, sua base política, e viu seu candidato ao governo, Roberto Cláudio (PDT), encerrar a disputa também na terceira colocação. O petista Elmano de Freitas foi eleito no primeiro turno com 51% dos votos.


A eleição no Ceará rachou a família Ferreira Gomes. Cid e Ivo, irmãos de Ciro, apoiaram Elmano na reta final da corrida ao governo. “Eu dei minha vida ao povo cearense e algumas lideranças, todas que ajudei a formar, se reuniram e meteram a faca nas minhas costas”, afirmou o candidato do PDT à Presidência da República, no dia 26 de setembro, em entrevista ao Flow Podcast.


Durante a eleição, ele foi duramente criticado por um aceno à direita, visto em entrevistas ao programa Pânico, da Jovem Pan, emissora considerada a voz do bolsonarismo, e ao programa do podcaster e youtuber Bruno Aiub, conhecido como Monark, desligado do Flow após defender o direito de existência de um partido nazista.


Ciro também foi alvo de ataques quando postou, no último sábado (1º) em suas redes sociais, um pedido de voto em que usou, como imagem, uma foto ao lado de Jair Bolsonaro (PL). O candidato do PDT aparece na imagem fazendo com as mãos o número do seu partido, o 12.




Da redação com informações de Correio do Estado