Brasil: Governo Federal já previa fracasso em tentativa de greve dos caminhoneiros



Os responsáveis dentro do Governo Bolsonaro por monitorar as frequentes tentativas de greve de caminhoneiros já apostavam que a nova ameaça de paralisação neste final de semana teria baixa adesão, mas a avaliação é que o resultado foi melhor do que o governo esperava.


Segundo a publicação da FolhaPress nesta terça-feira (27), as lideranças que encabeçaram o movimento desta vez, Plínio Dias, presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas - CNTRC e Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) tiveram desempenho fraco em seus redutos no Sul do país.


O Cartaz da Cidade publicou uma nota analisando o movimento com base na repercussão e mobilização da categoria. Leia aqui.


A região que teve mais registros de ocorrências pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) foi o Nordeste, onde o Dia de São Cristóvão, padroeiro dos caminhoneiros, é mais tradicional. A data, que reúne os motoristas e foi celebrada no domingo (25), era tida como um possível gancho para inflar o movimento.


Plínio e Litti também tentaram puxar uma greve em fevereiro, sem sucesso, e a leitura do governo é que a dupla perdeu força na categoria. No fim da tarde desta segunda (26), o Ministério da Infraestrutura e a PRF não registraram paralisações ligadas aos caminhoneiros nas rodovias mantidas pelo DNIT.


Iana Lima - Jornalista

Comente e Compartilhe!